DA PEDAGOGIA ÀS PRÁTICAS SOCIAIS: uma breve reflexão sobre a teoria dos multiletramentos

Autores

  • Paulo Alexandre Filho Unesp-Marília
  • Claudineia Peres Bertaglia Unesp
  • Daniela Nogueira de Moraes Garcia Unesp de Marília

DOI:

https://doi.org/10.47180/omij.v3i2.160

Palavras-chave:

multiletramentos; ensino e aprendizagem; ethos; empoderamento.

Resumo

Este ensaio tem como objetivo refletir sobre a Pedagogia dos Multiletramentos a partir de suas contribuições para o processo de formação e empoderamento dos estudantes de Educação Básica. O aumento vertiginoso das linguagens, gêneros e suportes midiáticos impactaram sistematicamente nas relações sociais e nos modos de compreender a realidade, promovendo a ascensão de um ethos fluido, disruptivo e digital. Dessa forma, aspectos atrelados ao processo de ensino e aprendizagem, bem como o papel social das instituições de ensino, precisam ser trazidos para o campo da discussão. Para este trabalho, optamos por uma metodologia qualitativa de cunho bibliográfico e como subsídio teórico, amparamo-nos em Kalantzis et al. (2020), Ribeiro (2021) e Rojo (2018). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudineia Peres Bertaglia, Unesp

Mestra em Letras pelo programa de mestrado profissional (ProfLetras) - UNESP, câmpus de Assis (2020). Graduada em Letras pela Associação de Ensino Superior de Osvaldo Cruz - FEOCRUZ (2004). Especialista em Língua Portuguesa pelo programa Rede São Paulo de Formação Docente (REDEFOR) pela instituição de ensino UNICAMP (2011). Graduada em Pedagogia pela Universidade Anhanguera - UNIDERP (2013). Professora de Educação Básica II (titular de cargo) de Língua Portuguesa e atualmente ocupa a função de Professora Coordenadora do Núcleo Pedagógico (PCNP), para o componente curricular de Língua Portuguesa na Diretoria de Ensino da Região de Adamantina, Estado de São Paulo, trabalhando com formação de professores e professores coordenadores (PCs). Atua diretamente junto ao Programa Sala de Leitura da rede estadual em nível de diretoria de ensino. Suas ações formativas focalizam as práticas sociais de linguagem voltadas para o letramento e os multiletramentos na contemporaneidade, passando pelas metodologias ativas, aprendizagem colaborativa a partir da concepção dialógica e sociointeracionista do processo de busca pelo conhecimento. É membro participante do Grupo de Pesquisa "Formação de Professores e Práticas de Ensino na Educação Básica e Superior" da Unesp - Presidente Prudente, liderado pelas professoras Ana Luzia Videira Parisotto e Renata Portela Rinaldi.

Daniela Nogueira de Moraes Garcia, Unesp de Marília

Livre Docente em Língua Inglesa pela UNESP. Doutora em Estudos Linguísticos pela UNESP/ São José do Rio Preto (2010). Mestre em Letras pela UNESP/ Assis (2003). Graduou-se em Letras pela UNESP/ Assis (1997). Atualmente, é professora junto ao Departamento de Letras Modernas da Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Campus de Assis onde atua em nível de Graduação (Licenciatura em Letras) e de Pós-Graduação (Mestrado Profissional em Letras- ProfLetras). É docente e orientadora, também, junto Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP/ Marília. Realizou sua pesquisa de pós-doutorado pelo Spanish and Portuguese Department da Georgetown University (Washington, DC- United States of America) em 2015 - Processo FAPESP: 2014/14442-8. Oferece consultoria dos alunos-professores do Centro de Línguas e Desenvolvimento de Professores (CLDP) e da UNATI. Foi coordenadora pedagógica do Nucli IsF do Inglês e do Japonês sem Fronteiras. É coordenadora do Programa English Teaching Assistant pela Fulbright/ CAPES na UNESP/Assis. Coordena sessões de interação e mediação no teletandem e integra o Grupo de Pesquisa: InviTe (Intercâmbio Virtual e Teletandem): Línguas Estrangeiras para Todos (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2209139477462677). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente nos seguintes temas: intercâmbio virtual, teletandem, internacionalização, novas tecnologias, formação inicial e continuada de professores, multiletramentos, multimodalidades, ensino/ aprendizagem e língua inglesa.

Referências

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CRESWELL, J. W. “Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto.” Tradução de Luciana de Oliveira da Rocha. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DELORS, J. et al. “Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI.” São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 1998. Disponível em: http://dhnet.org.br/dados/relatorios/a_pdf/r_unesco_educ_tesouro_descobrir.pdf. Acesso em: 06 de nov. 2021.

FIORINDO, P. P. Revista Pandora Brasil Nº 47 - Outubro de 2012 - ISSN 2175-3318 pp 1-8 "O ethos nos estudos discursivos da ciência da linguagem." http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/ethos/priscila.pdf

GERALDI, J. W. Escrita, uso da escrita e avaliação. In: GERALDI, J. W et al (orgs.). O texto na sala de aula. 1. ed. São Paulo: Anglo: 2012.

GARCIA, D. N. M. Perspectivas educacionais e novas demandas: contribuições da telecolaboração. Marília: Cultura Acadêmica, 2020.

KALANTZIS, M.; COPE, B.; PINHEIRO, P. Letramentos. Tradução de Petrilson Pinheiro. Campinas: Editora da Unicamp, 2020.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007.

KLEIMAN, A. O processo de aculturação pela escrita: ensino de forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, A. B.; SIGNORINI, I. (org.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artes Médicas do Sul, 2000.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na Era da Informática. 13. ed. São Paulo: Editora 34, 1993.

LIMA, T. C. S; MIOTO, R. C. T. “Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica”. Rev. Katál. Florianópolis v. 10 n. esp. p. 37-45, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

KLEIMAN, Angela B. O processo de aculturação pela escrita: ensino da forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, Angela B.; SIGNORINI, I. (Orgs.) O ensino e a formação do professor. Alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000. 248 p. p. 223-243.

RIBEIRO, A. E. Letramento digital: um tema em gêneros efêmeros. ABRALIN, v. 8, n. 1, p. 15-38, 2009. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1002. Acesso em: 08 out. 2021. DOI: https://doi.org/10.5380/rabl.v8i1.52433

ROJO, R.; MOURA, E. Letramentos, mídias e linguagens. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2019.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Alexandre Filho, P., Peres Bertaglia, C., & Garcia, D. N. de M. (2022). DA PEDAGOGIA ÀS PRÁTICAS SOCIAIS: uma breve reflexão sobre a teoria dos multiletramentos. Open Minds International Journal, 3(2), 15–22. https://doi.org/10.47180/omij.v3i2.160