UM OLHAR SOBRE O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS PARA O ENSINO DE GENÉTICA NA MODALIDADE “PROEJA”

Autores

  • Ariadne Vasques Domiciano Pessoa IFPB - Campus Cabedelo
  • Lucyana Sobral de Souza IFPB - Campus Cabedelo

DOI:

https://doi.org/10.47180/omij.v3i3.180

Palavras-chave:

Dificuldades na EJA., Ensino-aprendizado., Genética., Metodologias ativas., PROEJA.

Resumo

O estudo da genética é primordial para a sociedade, graças aos estudos em genética que a humanidade conseguiu importantes informações sobre a história e a saúde humana, mas pesquisadores apontam que muitos alunos têm dificuldades nos assuntos da genética. Quando analisa-se o ensino do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA), e busca-se entender sua realidade, observa-se resultados preocupantes, pois esta modalidade de ensino enfrenta inúmeros desafios. Diante disso, a presente pesquisa teve como objetivo geral avaliar se o uso de metodologias ativas contribui para o processo de ensino e aprendizagem dos alunos do PROEJA. Para atingir o objetivo geral da pesquisa foram realizadas 3 observações e ministradas 9 aulas, com duração de 50 minutos, em quatro dias diferentes, com 8 participantes de duas turmas, primeiro e segundo ano, além da aplicação de dois questionários com intuito de sondar os conhecimentos dos alunos. A pesquisa teve uma abordagem qualitativa e descritiva. Ao avaliar os resultados constatou-se que muitos alunos do PROEJA têm diariamente diversas dificuldades para finalizarem os estudos. Por isso é necessário a utilização de metodologias ativas que contribuam para o ensino-aprendizado significativo dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORGES, C. K. G. D.; SILVA, C. C.; REIS, A. R. H. As dificuldades e os desafios sobre a aprendizagem das leis de Mendel enfrentados por alunos do ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 6, p. 61-75, 2017. Disponível em: https://fisica.ufmt.br/eenciojs/index.php/eenci/article/view/661/631. Acesso em: 03 de nov. 2022.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Disponível em:https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 20 de jul. de 2022.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. BRASIL. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 23 de jul. de 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponivel em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#fundamental/ciencias-no-ensino-fundamental-anos-finais-unidades-tematicas-objetos-de-conhecimento-e-habilidades. Acesso em: 06 de nov. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Ofício circular 017/MEC. Brasília: MEC, 1998. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/PESQUISA_EM_FOCO/article/view/1216/957. Acesso em: 02 de nov. 2022.

BERNERT, V. C. A. Desafios na implantação das atividades multidisciplinares por Área do Conhecimento (AMAC) no ensino médio noturno de Vilhena/RO Disponível em: : http://www.mestrado.caedufjf.net/wp-content/uploads/2018/10/Dissertac%CC%A7a%CC%83o_VadeilzaB.pdf. Acesso em 04 de nov. 2022.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1982.

BUZIOLI, J. R. S.; TASSONI, E. C. M. Paulo Freire e a educação de jovens e adultos: sentidos atribuídos pelos alunos para a permanência na EJA. Revista Inter Ação, v. 46, n. ed. especial, p. 1068-1085, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/interacao/article/view/68193/37254. acesso em: 29 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68193

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora-estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Penso Editora, 2018. Disponível em :https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=3K9SDwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PP11&dq=sala+de+aula+inovadora&ots=jcB1-De9Oa&sig=WvQoSFK49FMM_s5LTtGQQqbyxHI#v=onepage&q=sala%20de%20aula%20inovadora&f=false. Acesso em: 01 de nov. 2022.

CASTRO, S. P.; PINTO, M. N.; LIMA, R. A. O trabalho versus estudo: desafios enfrentados no ensino médio no alto solimões, amazonas, brasil. Humanidades & Inovação, v. 8, n. 55, p. 82-94, 2021. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3355. Acesso em: 28 de nov. 2022.

DANIEL, R. S. E. Ensaio de Artigo Científico tema: Ensino Médio Noturno: Desafios e Possibilidades. Disponível em:http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1858-6.pdf. Acesso em: 05 de nov. 2022.

CARVALHO BORGES, M. et al. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto), v. 47, n. 3, p. 301-307, 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86619. Acesso em: 02 de dez.2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p301-307

FERNANDES, L.; ZIROLDO, B. D. O uso de infográficos de genética como recurso didático no ensino médio. Revista Exitus, v. 10, p. e020121-e020121, 2020. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/1486/967. Acesso em: 02 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1486

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. Disponível em: https://nepegeo.paginas.ufsc.br/files/2018/11/Pedagogia-da-Autonomia-Paulo-Freire.pdf. Acesso em: 09 de nov.2022.

FREIRE, P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000, págs. Disponivel em: https://nepegeo.paginas.ufsc.br/files/2018/11/Paulo-Freire-Pedagogia-da-indigna%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 08 de nov.2022.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 71. ed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2019.Disponível em:https://cpers.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Pedagogia-do-Oprimido-Paulo-Freire.pdf. Acesso 08 de nov. 2022.

GARCIA, D. M. F. Juventude em tempo de incertezas: enfrentando desafios na educação e no trabalho. 2002. Disponível em : https://core.ac.uk/download/pdf/296831208.pdf. Acesso em: 09 de nov. 2022.

GIORDAN, A.; VECCHI, G. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. Artes Médicas, 1996. Disponível em:https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/15059/mod_resource/content/1/giordan%20parte%201.PDF.cesso em: 05 de nov. 2022.

GOUVEIA, D. S. M.; SILVA, A. M. T. B. A formação educacional na EJA: dilemas e representações sociais. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 17, p. 749-767, 2015. Disponível em:https://www.scielo.br/j/epec/a/c6HXpsJSv3CYrMcPNrqMY9S/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 07 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172015170310

KRAMER, S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Alfabetização: um estudo sobre professores das camadas populares. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 65, n. 151, p. 523-537, 1984.

LEAL, C. A. et al. Estratégias didáticas como proposta para o ensino da genética e de seus conteúdos estruturantes. 2017. Tese de Doutorado. disponível em :https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/26656.Acesso em: 24 de jul. 2022.

LOVATO, F. L.; MICHELOTTI, A.; SILVA LORETO, E. L. Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, v. 20, n. 2, 2018. Disponível em:https://www.researchgate.net/profile/Fabricio-Lovato/publication/327924688_Metodologias_Ativas_de_Aprendizagem_Uma_Breve_Revisao/links/5cc8e75e92851c8d221035e7/Metodologias-Ativas-de-Aprendizagem-Uma-Breve-Revisao.pdf. Acesso em: 03 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.v20iss2id3690

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: EPU, 2014. 112p.

MALHEIROS, B. T. Metodologia da pesquisa em educação: LTC. 2011. 246p.

MARTINEZ, E. R. M.; FUJIHARA, R. T.; MARTINS, C. Show da Genética: um jogo interativo para o ensino de genética. Genética na escola, v. 3, n. 2, p. 24-27, 2008. Disponível em:https://www.researchgate.net/profile/Ricardo-Fujihara-3/publication/261471976_Show_da_Genetica_um_Jogo_Interativo_para_o_Ensino_de_Genetica/links/00463534558baa4b71000000/Show-da-Genetica-um-Jogo-Interativo-para-o-Ensino-de-Genetica.pdf. Acesso em: 24 de jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.55838/1980-3540.ge.2008.58

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção mídias contemporâneas. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, v. 2, n. 1, p. 15-33, 2015. Disponível em :https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4941832/mod_resource/content/1/Artigo-Moran.pd. Acesso em: 09 de nov. 2022.

MOURA, D. H.; HENRIQUE, A. L. S. PROEJA: entre desafios e possibilidades. Holos, v. 2, p. 114-129, 2012. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/914/536. Acesso em: 02 de nov. de 2022. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2012.914

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no Ensino de Ciências e Biologia. InFor, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2017.Disponível:https://ojs.ead.unesp.br/index.php/nead/article/view/infor2120167. Acesso em: 23 de jul. 2022.

OLIVEIRA, W. M.; TEIXEIRA, C.; MARTINS, A. E. M. Reflexões sobre os modelos tradicional e construtivista no ensino de biologia para uma educação emancipatória. Conjecturas, v. 22, n. 12, p. 858-872, 2022. Disponível em:http://www.conjecturas.org/index.php/edicoes/article/view/1633. Acesso em: 02 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.53660/CONJ-1633-2E18

SAI, L. H. Expressões algébricas e genética: Uma troca de olhares. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Disponivel em : https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/55/55136/tde-31082020-182242/publico/LuizHenriqueSai_revisada.pdf. Acesso em: 05 de nov. 2022.

SCHEID, N. M. J.; FERRARI, N.; DELIZOICOV, D. A construção coletiva do conhecimento científico sobre a estrutura do DNA. Ciência & Educação (Bauru), v. 11, p. 223-233, 2005. Disponível:https://www.scielo.br/j/ciedu/a/5CZ5MDGqznkmnqzRFQbdyhq/abstract/?lang=p. Acesso em: 22 de jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132005000200006

TEMP, D. S. Facilitando a aprendizagem de Genética: uso de um modelo didático e análise dos recursos presentes em livros de Biologia. 2011.Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/6656/TEMP%2c%20DAIANA%20SONEGO.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 24 de jul. 2022.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. Cortez editora, 2022. Disponível em:https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=OTSDEAAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT6&dq=THIOLLENT,+Michel.+Metodologia+da+pesquisa+-+a%C3%A7%C3%A3o.+2.+ed.+S%C3%A3o+Paulo:+Cortez,+198&ots=vaFsNJoOib&sig=iUV_xDuoU85N-hnDleOL0fQdH0Q#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 09 de nov. de 2022.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-12-28

Como Citar

Pessoa, A. V. D., & Souza, L. S. de. (2022). UM OLHAR SOBRE O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS PARA O ENSINO DE GENÉTICA NA MODALIDADE “PROEJA”. Open Minds International Journal, 3(3), 51–68. https://doi.org/10.47180/omij.v3i3.180

Edição

Seção

Artigos de Fluxo Contínuo