DA SALA DE AULA TRADICIONAL À SALA DE AULA INVERTIDA: estratégias para a educação na era digital

Autores

  • Leonides Pereira de Souza Guimarães SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE GOIAS

DOI:

https://doi.org/10.47180/omij.v2i2.131

Palavras-chave:

Tecnologia digital, Metodologia Ativa, Estratégias de ensino, Estruturas de Aprendizagens

Resumo

A da Sala de Aula Invertida abre um leque de possibilidades para possíveis mudanças para a educação sem desconsiderar os desafios do método hibrido para o ensino e aprendizagem. As mídias disruptivas tem no ensino híbrido um forte aliado, impondo às práticas educativas uma trajetória, cujas relações educativas se pautam na horizontalidade, e cuja concentração, está na inversão dos domínios tradicionais que até então nortearam as práticas pedagógicas. A proposta em torno da Sala de Aula Invertida não é estática. Precisa de uma leitura do comportamento e das relações do nativo digital com o meio que o circunda a cada dia. O ensino hibrido enquanto prática educativa sustentável não pode ser pensada apenas como ação pontual, ela precisa se tornar um modo de vida e se constituir um processo consciente que repense o desenvolvimento de habilidades e a superação de limites a partir de cada ação desenvolvida. Reafirma-se que todas as parcerias são bem-vindas, conforme se destacou nos relatos com as experiências educacionais exitosas quanto a qualificação do processo de ensino híbrido, a sala de aula invertida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (Orgs.) Ensino Híbrido: Personalização e Tecnologia na Educação. Porto Alegre: Penso, 2015. 270p.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, maio/ago. 2013.

BARCELOS, A. M. F.; ABRAHÃO, M. H. V. Crenças e ensino de línguas. São Paulo: Pontes, 2006.

BECKER, D. V.; ÁVILA, LUCAS VEIGA; NASCIMENTO, L. F. M.; MADRUGA, L. R. R. G.. Educação para a sustentabilidade no Ensino Superior: O papel do docente na formação do Administrador. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, v. 19, n.3, set-dez 2015, p.615-628. Disponível em:<https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/16413/pdf>. Acesso em: 13 mar. 2018.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: Uma metodologia ativa de aprendizagem. Trad. Afonso Celso da Cunha Serra. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra. Sala de aula invertida tem aula em casa e tema na escola. On line. Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/educacao/sala-de-aula-invertida-tem-aula-em-casa-e-tema-na-escola,1684eee6359f4410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html> Acesso: 21 mar 2018.

CLARK, R. C.; MAYER, R. E-Learning and the science of instruction: proven guidelines for consumers and designers of multimedia learning. 3. ed. San Francisco: Pfeiffer, 2011.

COSTA, Marina Morena. Sala de aula invertida faz alunos aprenderem de forma livre. 3 de maio de 2016. On line. Disponível:
http://porvir.org/sala-de-aula-invertida-faz-os-alunos-aprenderem-de-forma-livre/ Acesso. 21 mar 2018.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015. 292 p.

KENSKI, V. M. Tecnologias e tempo docente. Campinas: Papirus, 2013.

LOPES, Marina. Em uma escola estadual de Campinas, as aulas de matemática se tornaram mais dinâmicas com exercícios e interações entre professores e alunos. 24 de agosto de 2015. On line. Disponível em: http://porvir.org/sala-de-aula-invertida-poupa-tempo-para-interessa/ Acesso: 21 mar 2018.

MOITA, Lopes. Pesquisa Interpretativista Em LA (1994) - Documents: https://docgo.net/moita-lopes-pesquisa-interpretativista-em-la-1994 Acesso jan 2018.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; TORRES-MORALES, O. E. (Orgs.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG, 2015. (Mídias Contemporâneas, v. 2). p. 15-33. Disponível em: Acesso em: 23 out. 2015.

MOREIRA, Luciano Accioly Lemos. A (In)sustentabilidade do discurso da educação para o desenvolvimento sustentável do Banco Mundial. ETD. Educação Temática Digital, v. 9, p. 20-30, 2008.

PRADO, A. Entendendo o aluno do século 21 e como ensinar a essa nova geração. São Paulo: Geekie, 2015. Disponível em: <https://cld.pt/dl/download/ b9bcdc77-a9cb-4cfd-af7c-b7bb28895e7f/EBOOK_geekie_aluno21.pdf>. Acesso em: 10 out. 2015.

RAMAL, Andrea. Sala de aula invertida: a educação do futuro. 28 de abril 2015. On line. Disponível em: http://g1.globo.com/educacao/blog/andrea-ramal/post/sala-de-aula-invertida-educacao-do-futuro.html Acesso: 21 mar de 2018

SCHLÜNZEN JÚNIOR, K. Como a tecnologia pode contribuir para renovar a educação: porque precisamos adaptar nossas práticas a um cenário educacional em constante mudança? 2015. Painel apresentado pelo professor em parceria com pesquisadores e profissionais da área de educação no 1º Congresso Bett Educar, São Paulo, 2015.

TALLEI, Jorgelina. Professora de espanhol fala do impacto na metodologia nas aulas da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). 14 de janeiro 2015. On line. Disponível em: http://porvir.org/sala-de-aula-invertida-da-autonomia-ao-aluno/ Acesso: 21 mar 2018.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, n. 4, p. 79-97, 2014.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-09-17

Como Citar

Guimarães, L. P. de S. . (2021). DA SALA DE AULA TRADICIONAL À SALA DE AULA INVERTIDA: estratégias para a educação na era digital. Open Minds International Journal, 2(2), 5–18. https://doi.org/10.47180/omij.v2i2.131