A REPRESENTAÇÃO CRONOTÓPICA NA COLEÇÃO “O BAIRRO” DE GONÇALO M. TAVARES

Autores

  • Fabiano Cardoso Unesp

DOI:

https://doi.org/10.47180/omij.v3i1.153

Palavras-chave:

Mikhail Bakhtin, Cronotopo, Gonçalo M. Tavares, O Bairro

Resumo

O presente trabalho analisa a coleção “O Bairro” do autor Gonçalo M. Tavares. As relações dos personagens com o espaço e o tempo criado pela narrativa proporciona uma reflexão de seus significados para a trama. Nos romances que serão apresentados nesse trabalho Tavares constrói um lugar que abriga alguns dos grandes nomes da literatura e das artes de todos os tempos, dentre eles estão: Eliot, Brecht, Breton, Henri, Valéry etc., as relações entre esses personagens são muito singulares e intrigantes e, por isso, passíveis de análise. Nossa abordagem teórica será feita na teoria do cronotopo desenvolvida por Bakhtin, nela o teórico analisa as relações tempo/espaço que produz movimentos de interpretação de determinadas obras literárias e filmes. A coleção ora analisada apresentará um pouco da obra de Tavares e sua relação com a teoria bakhtiniana.,

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM, Marilia. Cronotopia e exotopia, in BRAIT, Beth (org). Bakhtin outros conceitos-chave (2014). São Paulo: Contexto.

BAKHTIN, Mikhail (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. 12ª ed. Hucitec. Edição digitalizada.

BAKHTIN, Mikhail (2002). Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 5ª ed. Hucitec. Edição digitalizada.

BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz (orgs). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade (2003). Ed. 2ª. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo-SP.

CARDOSO, Fabiano. Pós-modernismo e ironia na coleção “O BAIRRO” de Gonçalo M. Tavares. Dissertação de Mestrado defendida na Universidade de Maringá –UEM. Disponível em:

http://www.ple.uem.br/defesas/pdf/fcardoso.pdf. Acesso em: 24 jul. 2014.

GARCIA, Luiz Fernando (2014). A teoria do cronotopo literário de Bakhtin. Sem publicação.

SCHNAIDERMAN, B. Prefácio. In: EIKHERNBAUM, B. et. Al. Teoria da literatura: formalistas russos (1976). Porto Alegre: Globo, p. ix-xxii.

TAVARES, Gonçalo M (2012a). O senhor Eliot e as conferências. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2012b). O senhor Henri e a enciclopédia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2012c). O senhor Valéry e a lógica. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2011). O senhor Swedenborg e as investigações geométricas. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2009). O senhor Breton e a entrevista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2008). O senhor Walser. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2007a). O Senhor Calvino. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2007b). O senhor Juarroz. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2007c). O senhor Kraus. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

___________________ (2005). O Senhor Brecht. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

BRAIT, B. “Análise e teoria do discurso”. In BRAIT, B. (org.). Bakhtin – outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006.

CLARK, K.; HOLQUIST, M. Mikhail Bakhtin. São Paulo: Perspectiva, 1998.

DI CAMARGO, I. Jr. Mikhail Bakhtin na linguagem cinematográfica. São Paulo: Mentes Abertas, 2020 [no prelo].

______. A Memória de Futuro em tela: diálogos entre o Cinema e Mikhail Bakhtin. São Paulo: Mentes Abertas, 2020.

MIOTELLO, V. Bakhtin em trabalhos de estudo da língua: levantando o problema do pertencimento. Estudos Linguísticos, Campinas, v. XXXV, p. 176-180, 2006.

______. Discutindo a questão do dialogismo com Bakhtin. Versão Beta, São Carlos, n. 25, p. 31-50, 2003.

______. Compreendendo alguns conceitos bakhtinianos. Versão Beta, São Carlos/SP, n. 10, 2002, p. 02-10.

______. Estudo da língua em Bakhtin - objeto e metodologia. In: Sandra Regina Buttros Gattolin; Mônica Baltazar Diniz Signori; Valdemir Miotello. (Org.). Década - Dez anos entre o aprender e o ensinar linguagens. São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2007, p. 275-286.

______. As palavras engravidam e grávidas dão à luz um mundo novo. In: Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso - GEGE. (Org.). O Espelho de Bakhtin. 1ª ed. São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2007, p. 185-206.

______. A Memória do Passado em jogo com a Memória do Futuro constitui sentidos agora. Daí que os Projetos de Dizer dos sujeitos têm importância. In: André Luiz Covre, Fabrício de Oliveira, Valdemir Miotello e outros. (Org.). Veredas Bakhtinianas - de objetos a sujeitos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2006, p. 277-286.

______. Ideologia. In: Beth Brait. (Org.). Bakhtin - Conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2005, p. 167-177.

PONZIO, A. La revolución bajtiniana. Madri: Catedra, 1999.

______. A Revolução Bakhtiniana. São Paulo; Editora Contexto, 2008.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Cardoso, F. (2022). A REPRESENTAÇÃO CRONOTÓPICA NA COLEÇÃO “O BAIRRO” DE GONÇALO M. TAVARES. Open Minds International Journal, 3(1), 45–54. https://doi.org/10.47180/omij.v3i1.153