ESTUDO ETNOBOTÂNICA DA CAMOMILA (Matricaria chamomilla Linn) NA PARAÍBA

Autores

  • Janeide Maria de Lima Xavier IFPB - Campus Cabedelo
  • Marcelo Loer Bellini Monjardim Barboza IFPB - Campus Cabedelo
  • Helder Neves de Albuquerque IFPB - Campus Cabedelo

DOI:

https://doi.org/10.47180/omij.v3i2.166

Palavras-chave:

Etnomedicina., Uso Popular., Plantas Medicinais., PICS.

Resumo

Esta pesquisa tem por objetivo geral verificar o enfoque dado pela literatura científica acerca dos estudos etnobotânicos sobre a Matricaria chamomilla L. na Paraíba, Brasil. Este trabalho trata-se de uma revisão sistemática de literatura usando o Google Acadêmico como fonte de pesquisa. Os dados coletados contribuem para um possível resgate de uma parcela cultural/popular/científica referente ao etnoconhecimento a respeito da M. chamomilla, passado popularmente no estado da Paraíba. Da mesma forma em que foi possível verificar que na maioria dos estudos o uso deste vegetal, mesmo de forma popular, apresenta embasamento científico em relação a indicação de uso. A análise da literatura evidenciou que a M. chamomilla possui uma destacada importância medicinal pelo fato de conter compostos fenólicos, glicosídeos e óleos essenciais presentes na sua composição, responsáveis pelos efeitos descritos no decorrer deste estudo. Assim, este estudo poderá contribuir na área de saúde pública e permitiu difundir conhecimentos científicos e populares, contudo, sugere-se mais estudos na área, como também, a identificação botânica de espécies cultivadas pela população para o aprimoramento dos dados etnobotânicos e científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCORN, J. B. The scope and aims of ethnobotany in a developing world. Ethnobotany: evolution of a discipline, v. 1, p. 23-39. 1995.

ALEXÍADES, M. N.; SHELDON, J. W. Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual (No. Sirsi). 1996.

ALMASSY JÚNIOR, A. A. Plantas Medicinais na Terapêutica Humana. UFV. 2020.

ALVES, C. A. B. et al. Comercialização de plantas medicinais: um estudo etnobotânico na feira livre do município de Guarabira, Paraíba, nordeste do Brasil. Gaia Scientia, v. 10, n. 4, p. 390-407. 2016. DOI: https://doi.org/10.21707/gs.v10.n04a31

ALVES, G. C. A percepção das gestantes frente à utilização de plantas medicinais no município de Cuité-PB. 2019. Monografia (Bacharelado em Enfermagem) - Universidade Federal de Campina Grande. Cuité. 2019. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7876

ALVES, R. V. Matricaria recutita L. (Camomila): Planta Medicinal ou Fitoterápico? 2013. Monografia (Graduação em Farmácia) - Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes. 2013.

AMARAL, F. M. et al. Plants and chemical constituents with giardicidal activity. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 16, p. 696-720. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2006000500017

ARAÚJO, C. R. F. et al. Perfil e prevalência de uso de plantas medicinais em uma unidade básica de saúde da família em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 35, n. 2, p. 233-238. 2014.

ARAÚJO, M. D. Estudo etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais no assentamento Santo Antônio, Cajazeiras, PB Brasil. 2009. 130 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Universidade Federal de Campina Grande, Patos. 2009.

ARGENTA, et al. Plantas medicinais: cultura popular versus ciência. Vivências, v. 7, n. 12, p. 51-60. 2011.

BARBOSA, B. B.; CAPELLARI JR, L. Plantas medicinais: camomila. ESALQ, (Série Produtor Rural, n. 67). 2019.

BELTRESCHI, L. Conhecimento botânico tradicional sobre plantas medicinais no Quilombo Ipiranga, município do Conde-PB. 2016. Dissertação (PRODEMA) - Universidade Federal de Paraíba, João Pessoa. 2016.

BICAS, R. R. Comportamento e desempenho de codornas japonesas de postura suplementadas com extrato de camomila. 2017. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados. 2017.

BORGES, et al. Natural remedies for animal health in Latin America. Ethnoveterinary Medicine (pp. 311-344). Springer. 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-030-32270-0_14

FERREIRA, E. D. C. Comercialização de plantas medicinais em mercados públicos no estado da Paraíba, Nordeste, Brasil. 2019. Dissertação (PRODEMA) - Universidade Federal de Paraíba, João Pessoa. 2019.

HARTMANN, K. C.; ONOFRE, S. B. Atividade antimicrobiana de óleos essenciais da camomila (Matricaria chamomilla L.). Revista Saúde e Pesquisa, v. 3, n. 3, p. 279-284. 2010.

LEITE, I. A. et al A etnobotânica de plantas medicinais no município de São José de Espinharas, Paraíba, Brasil. Biodiversidade, v. 14, n 1, p. 22-30. 2015.

LEITE, M. C. A. et al. Conhecimento, utilização e diversidade de plantas medicinais entre alunos da rede Bióloga. Seabra, G.; Mendonça, I. (2011). Educação ambiental: Responsabilidade para a conservação da sociobiodiversidade. 2011.

LOUREIRO, R. C. D. M. Evidências da atividade gastrointestinal da Camomila (Matricaria chamomilla L.= Chamomilla recutita L.): uma revisão integrativa. 2021.

MAIA, A. C. D. P. Estudo etnobotânico sobre plantas medicinais com agentes comunitários de saúde e especialistas locais na zona da mata paraibana, nordeste do Brasil. 2019. Dissertação (PRODEMA) - Universidade Federal de Paraíba, João Pessoa. 2019.

MCKAY D.L., BLUMBERG J.B. A review of the bioactivity and potential health benefits of chamomile tea (Matricaria recutita L.). Phytotherapy Research, v. 20, p. 519–530. 2006 DOI: https://doi.org/10.1002/ptr.1900

NICOLETTI, M. A. et al. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma, v. 19, n. 1/2, p. 32-40. 2007.

NÓBREGA, L. B.; NURIT-SILVA, K. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais comercializadas por raizeiros em uma feira livre no município de Baraúna-PB. III CONAPESC. 2017.

NÓBREGA, L. B. D. Conhecimento e uso de plantas medicinais por idosos dos programas da assistência social (PAIF/CRAS) do município de Baraúna-PB. 2021. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Campina Grande, Cuité. 2021.

NOVAES, T. E. R.; NOVAES, A. S. R. Análise dos potenciais medicinais do cajueiro (Anacardium occidentale Linn): uma breve revisão. Research, Society and Development, v. 10, n. 1, p. 1-7. 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11838

PEREIRA, T. M. S., MOURA, D. C.; MORAIS RODRIGUES, E. Análise fitogeográfica das plantas medicinais comercializadas nas feiras livres de Campina Grande-PB, Brasil. I CONIDIS. 2016.

RAMOS, F. A. P. et al. Aspectos botânicos, farmacológicos e potencial medicinal das plantas medicinais: práticas integrativas e complementares no âmbito do Sistema Único de Saúde. Tecnologia de Alimentos: Tópicos Físicos, Químicos e Biológicos. v. 1, p. 196-217. 2020. DOI: https://doi.org/10.37885/200700654

SANTOS, S. L. D. X. Animais e plantas utilizadas como medicinais por uma comunidade rural do semiárido da Paraíba, nordeste do Brasil. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande. 2009.

SEVERO, A. M. Utilização de plantas medicinais pela população de Cuité-PB na atenção primária à saúde. 2015. Monografia (Curso de Bacharelado em Farmácia) - Universidade Federal de Campina Grande. Cuité. 2015.

SILVA, A. P. P. et al. Conhecimento popular sobre o uso das plantas medicinais pelos moradores da cidade de São Bentinho, Paraíba. Saúde Interativa, p. 137-155. 2019.

SOUZA, J. R. P. D. et al. Tempo de armazenamento e temperatura na porcentagem e velocidade de germinação das sementes de camomila. Ciência Rural, v. 37, n. 4, p. 982-986. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782007000400010

VIOLA, H. et al. Apigenin, a component of Matricaria recutita flowers, is a central benzodiazepine receptors-ligand with anxiolytic effects. Planta medica, v. 61, n. 3, p. 213-216. 1995. DOI: https://doi.org/10.1055/s-2006-958058

Arquivos adicionais

Publicado

2022-10-23

Como Citar

Xavier, J. M. de L., Barboza, M. L. B. M., & Albuquerque, H. N. de. (2022). ESTUDO ETNOBOTÂNICA DA CAMOMILA (Matricaria chamomilla Linn) NA PARAÍBA. Open Minds International Journal, 3(2), 5–14. https://doi.org/10.47180/omij.v3i2.166